LAVA PÉS – Palavras de um Leigo

Hoje é quinta-feira Santa. Para os Cristãos é o dia que antecede a Paixão de Cristo. Eu como um leigo falarei o que eu penso desse momento na vida de Jesus. Eu li na minha vida, os 4 evangelhos, como Catequista e Integrante da Pastoral da Juventude. Mas foi como Coordenador Geral da Equipe do CDL Campinas, que conheci a coletânea “Um Tal Jesus”.
Nessa coletânea composta por 12 fascículos de 12 capítulos cada, que eu encontrei o Jesus que eu acredito. Um Jesus mais humano. Um Jesus que viveu em Comunidade com seus discípulos e seus amigos mais próximos. Um Jesus permeado no contexto histórico a qual a sua terra, Israel, vivia. Nesse ponto histórico que é demonstrado na narração, é onde valorizei tudo que aprendi sobre a Leitura Orante com o Padre Ray.
Então voltando a Lava pés. Eu acredito que no momento em que Jesus, sente e sabe o que lhe acontecerá, ele precisa fazer algo que realmente marque a sua passagem na terra. Mais que isso, ele precisa garantir que o que ele viveu, e a sua proposta de vida seja seguida dali em diante. Precisa passar aos seus discípulos o quão é importante que eles continuem o que começaram juntos. Ele precisa mostrar que vale qualquer esforço, até mesmo morrer, quando se quer realizar um propósito de Deus.
Então entra a Filosofia que todo mundo fala hoje em dia, sobre o “Líder Servidor”. O Deus, o Messias se faz servo de seus Discípulos. Justo Jesus que nunca exigiu nada. Mas esse gesto foi fundamental para que os Discípulos entendessem o que era, de fato, estar a serviço de Deus. Mesmos aqueles que não queriam adimitir esse Gesto, que para a época só eram feitos pelos os escravos aos seus senhores, Jesus tamém se pôs aos pés. Foi também um gesto de carinho, respeito, amor e de agradecimento para com seus companheiros que viveram com ele essa missão, enfim era a sua despedida.
Nesse mesmo dia, Jesus ensina aos discípulos como rezar e como se direcionar ao Deus. Então, ele ensina a seus discípulos que Deus é o nosso Pai, e que não precisava fazer orações mirabolantes e sim falar com o coração a esse Pai que está pronto a nos escutar. E ensina a oração do Pai Nosso.
Essa é ainda, a ultima celebração do grupo, então Jesus reza a sua primeira e última Missa. É quando ele consagra o Pão e Vinho, e pede para que eles repitam esse gesto em sua memória, algo que é feita até hoje.
Acho que olhando para esses momentos simples e mágicos é que nós fortalecemos a nossa fé.
Em breve eu escrevo mais…
Montanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *